Almanaque dos Conflitos

Milícias colaboracionistas da Bielorrússia – III Reich

Membros bielorrussos da Schutzmannschaft-Brigade Siegling

Membros bielorrussos da Schutzmannschaft-Brigade Siegling

A Brigada Policial Auxiliar para a Ordem – Zigling (Schutzmannschaft-Brigade Siegling), se tratou de uma milícia policial colaboracionista da Bielorrússia, em junho de 1944. Nomenclatura originada do Comandante Hans Ziglinga. Durou desde o final de julho de 1944 a meados de agosto 1945.

Com o desfecho final da Operação Bagration, que aconteceu ente os meses de junho a agosto com a missão de expulsar as tropas do III Reich da Polônia e Bielorrussia, procuraram fortalecer a brigada e são promovidos a 30ª Divisão SS de Granadeiros (2ª Russa), e usados para conter o avanço de partisans comunistas soviéticos em terras bielorrussas. Integravam as fileiras da divisão, ucranianos, russos, e bielorrussos.

Eram 18 brigadas com aproximadamente 12.000 homens. Alemães, ucranianos, russos, poloneses, tártaros e armênios também fizeram parte dos efetivos da milícia colaboracionista. Algumas brigadas foram enviadas para a França, no mês de agosto de 1944, para lutarem contra a Resistência Francesa.

 

Blindado do Batalhão Ziglinga (SS Polizei Bataillon Siegling)

Blindado do Batalhão Ziglinga (SS Polizei Bataillon Siegling)

Batalhão Ziglinga – SS Polizei Bataillon Siegling

Conhecido popularmente há época como Batalhão Ziglinga (SS Polizei Bataillon Siegling), uma milícia policial bielorrussa colaboracionista, integrante da 38ª Divisão de Granadeiros SS Nibelungen, durante a Segunda Grande Guerra (Grande Guerra Patriótica). Organizada no mês de fevereiro do ano de 1944. Tiveram como efetivo aproximadamente 55.000 membros treinados e armados pelas SS.

 
No mês de março do ano de 1945, por iniciativa de Adolf Hitler, para combaterem na Frente Ocidental como tropas auxiliares, também participaram de batalhas na região da Alemanha da Baviera. Terminaram o conflito quando finalmente se entregam aos soldados Aliados dos Estados Unidos.

Francišak Kušal ao lado da esposa Natalla Arsienieva , durante exílio nos Estados Unidos

Francišak Kušal ao lado da esposa Natalla Arsienieva, durante exílio nos Estados Unidos

Franz Kushel – Francišak Kušal

Franz Kushel (Francišak Kušal), nascido no Império Russo (Bielorrússia), na cidade de Piaršai, em 1895. De origem católica romana, foi frequentou a escola de infantaria e foi enviado para lutar durante a I Guerra Mundial pelo exército russo na Frente Ocidental, em 1916. Nacionalista, sonhava com a independência total da Bielorrússia, e procurou a libertação da terra natal, após a eclosão da Revolução de Outubro, quando procurou se unir a outros separatistas bielorrussos. Acaba preso por autoridades locais em 1919.

Apos o término da Guerra polaco-bolchevique, ocorrida entre a União Soviética e a Polônia, de fevereiro de 1919 até o mês de março do ano de 1921, que termina coma independência dos poloneses, passa a fazer parte dos efetivos do exército polonês e se forma oficial em 1922. Promovido a patente de capitão e agraciado com a Cruz de Prata de Mérito.

Bielorrussos integrantes da 30ª Divisão SS de Granadeiros, anteriormente, membros do Batalhão Ziglinga - SS Polizei Bataillon Siegling

Bielorrussos integrantes da 30ª Divisão SS de Granadeiros, anteriormente, membros do Batalhão Ziglinga – SS Polizei Bataillon Siegling

Com a invasão das tropas do III Reich, luta contra as forças ocupantes e termina preso e enviado para campos de concentração. Porém, escolhido por oficiais alemães das SS para ser diretor da escola de formação de paramilitares para a polícia auxiliar bielorrussa, bem como a formação de oficiais para a organização militar colaboracionista.

 
Em 1943, passa a ser membro da organização do Conselho Central Bielorrusso, responsável por questões militares. Kušal passou os últimos anos de vida nos Estados Unidos, e morre aos 73 em 1968.

Anúncios